Alzheimer as mais novas pesquisas

Histórico/ Introdução

A história relatada por Aristóteles em seu famoso livro Odisseia que descreve a volta de Odysseus da guerra de Tróia que quase sem memória ( provável Alzheimer) tomou um extrato de planta chamada moly e a recuperou Esse substrato foi comprovado em 1983 , que era um derivado da planta Galanthus Nivalis, hoje conhecida como Galantamina Alzheimer é uma patologia que se caracteriza por deficiência cognitiva (memória) e comportamental física – Dificuldade para se comunicar e exercer suas atividades psíquicas e profissionais ( laborativas) . Essa patologia foi primeiramente descrita por um médico neurologista Alemão Alois Alzheimer em 1901- 1906 - esse período foi de observação que o Alzheimer levou para comprovar a patologia , quando o paciente morreu e foi para estudo patológico do cérebro. Com o avanço da biotecnologia ( Medicina Molecular) e a físico-química dos exames por imagem, se pode hoje, fazer um diagnóstico mais precoce e também um tratamento mais elaborado. A patologia se carcteriza por uma deficiência na utilização adequada do mediador químico Acetilcolina, que um dos mais importantes elementos ( proteína ) que distribui as informações elaboradas pelo cérebro até os centros de comando.
As pesquisas por exames químicos e imunohistoquimicos nos identificaras duas proteínas como sendo as principais responsáveis pelo desencadeamento da patologia – βeta ( amilóide e a TAU ( uma hiperfosforilação proteíca). Pesquisadores descobriram que essa proteína β amilóide se deposita pela falta de ação dos a Aβ fagócitos ( lixeiros intravasculares responsáveis pela limpeza de restos químicos ( Aβ peptídios) que alteram a cadeia de DNA (no momento da transcrição do RNA para a nova formação das proteínas).
Material para Diagnóstico Exames clínicos o médico atento pela história do paciente e com testes simples pode suspeitar de um quadro clínico de doença de Alzheimer.

 

Um teste simples pode levar a suspeita de Alzheimer. Se toma um desenho e pede ao paciente olhar e depois apangondo o desenho pede que ele redesenhe denovo. Também pode se escrever palavras ou pedir que ele leia e depois, repita sem os exemplos. Informações recentes de sua vida social, passeio, viajem que horas saiu de casa. Esses testes simples são de garnade ajuda para se começar a formular o diagnóstico de doença de Alzheimer e então seguir com investigações mais specíficas.

 Atualmente se pode fazer exames prévios de todo individuo que vem apresentando sinais de déficit de memória por exames bioquímicos de sangue, urina e cabelo. Nesses exames se pode identificar alterações químicas funcionais, depleção de hormônios, déficit de nutrientes essenciais para o sistema nervoso, baixa quantidade de anti- Oxidantes , pouca produção de acetilcolina ou exarcebação da produção de acetilcolinoesterase ( enzima que degrada a acetilcolina) Também se usa a Radiologia para se fazer exames mais específicos na intensão de avaliar fenótipo ( quando a suspeita é grande Exames de Ressonância magnética e de SPEC (cintilografia ) e PET scam ( emissão de prótons ) é mais definido .

 

 Esta é uma imagem feita por Ressonância Magnética onde se Pode observar uma grande atrofia cerebral, com o cérebro se afastando da calota craniana e dilatação dos Ventrículos cerebrais.
 

Esta é uma imagem feita por PET scam ( estudo radiológico com isótopos marcados que mostram perda da função do lobo temporal cerebral.


 

Enzimas atuam na PPA (Precursor da proteína placa amilóide ) e cortam em fragmentos. Estes fragmentos são os responsáveis pela formação das s placas senis no Alzheimer.

 

Imagem histopatológica da senil, vista no córtex cerebral de um a pessoa com Alzheimer. 

 

Na doença de Alzheimer a mudança na Proteína TAU leva a desintegração Dos microtubulos das células cerebrais isso desencadeia a doença.

 


Imagem microscópica de uma  neurofibrila entrelaçada causada  pela hioperfosforilação da TAU.


Tratamento

As modernas técnicas para tratamento da doença de Alzheimer implicam em um profundo conhecimento molecular da causa da patologia. Persquisar intoxicações por metais pesados ( Mercúrio. Chumbo. Arsênico. Alumínio, Ferritina elevada, Ferro Oxidado) . Avaliação de enzimas Superóxido Dismutase, L- Glutationa e Catalases. Minerais e vitaminas, aminoácidos, antioxidantes e Acetilcolina. Todo tratamento depende dessas avaliações que são imprecindíveis e sem as quais todos os tratamentos poderão tem falhas. Pois cada individuo é diferente um do outro. Mas a medicação nas farmácias são iguais. Por isso os resultados são tão ineficazes.
Um paciente com Alzheimer que tem um boa avaliação bioquímica e recebe o suporte terapêutico adequado tem muito mais chance de estabilizar sua patologia e mesmo de recuperar muitos neurônios que estão em apoptose. Essa recuperação se da devido a grande neuroplasticidade ( poder de regeneração) do sistema nervoso, que uma vez livre dos agentes agressores pode se recuperar e os neurônios voltarem a ter uma isotonia celular. Isto significa equilíbrio entre o meio interno das células e o meio externo ( extracelular). Outros terapêuticas de suporte são muito importantes como exercícios cerebrais e atividades físicas. Também é indispensável que os familiares recebam do médico todas as informações possíveis para poderem manejar o doente. Em  nossa clínica usamos terapia endovenosa, com substância que tem uma atividade de transporte capazes de ultrapassar a barreira nevosa. Esse método permite que os nutrientes possam chegar as células neuronais . A terapia endovenosa se pode usar quantidades de antioxidantes e substâncias que inibem a prolifração  das placas ( proteina Beta  Amilóide e a fosforilação da proteína TAU . Ate hoje são as duas proteínas, conhecidas, diretamente implicadas na apoptose neuronal do ALZHEIMER. AS novas terapias, com  anticopos monoclonais (MABs) e céliulas tronco modificadas genéticamente em laboratório (sIPC) , quando aplicadas intratecal ( dentro do liquor da coluna) são uma promessa de muita expectativas. Já estamos estudando e tentando trazer para a prática, mas ainda precisamos trilhar mais nos estudos e na legislação. Com  afirmativas será o futuro tratamento para doenças neuronais cerebrais) 

 

 

A atividade intelectual, tais como jogar xadrez , fazer palavras cruzadas, trabalhos manuais e um boa atividade social diminuem o risco para o Alzheimer. .

Prognóstico ( evolução da doença)

Depende de indivíduo para indivíduo e da terapêutica aplicada. A maioria dos pacientes tem um bom prognóstico, quando o diagnóstico é feito o mais precoce possível e recebem a terapia adequada. Em muito casos há um retrocesso do Alzheimer, mas a patologia não tem em nenhuma parte do mundo um tratamento específico, pois todo doente é diferente um do outro. As medicações em uso corrente atuam apenas sintomaticamente e não impede a evolução da patologia.
José Valdaí de Souza – pesquisador de alterações moleculares nas doenças degenerativas .

Um Novo tratamento esta em fase de pesquisa 

Tratas-se e um Anticorpo Monoclonal (MAB) produzido apartir de células de ratos induzidos ao Alzheimer. Todo anticorpo monoclonal é produzido apartiur de celulas doentes que são introduzidas no animal e este produaz um anticorpo que é trabalhado em laboratório e usado como terapia nos pacientes acometidos com a doença específica, embora nem todo MAB so seja ativo para aquela doenças , pois ja sabemos que outras patologias podem responder ao mesmo MAB . No Caso em pesquisa,  trata-se do MAB ADUCANUMAB . Essse  anticopro tem demosntrato a propriedade de dissolver as placas da proteína  beta AMILOIDE. Essa proteína é uma das principais causadoras, até agora conheceida,   da degeneração do sisrtema nervoso que  leva a o Alzheimer, embora ja se aaiba que a TAU também leva ao Alzheimer, mas esssa é produzida pela fosforilização, processó resultadnte do estresse  oxidativo, cujo tratamento e uso de reequilibrio bioquimico e antioxidantes.  


Novos marcadores Biológicos para o Alzheimer

   Já usamos,  a  longo tempo a Genotipagem da Apoproteína E  ( mutações para E4/ E 4 ) são bons indicativos de desenvolver a patologia . Porém agora novas pesquisas mostram que uma lateração na fração PROTEICA   do liquido raquidiano ( fazer uma punção na coluna)  pode dar indicações de o individuo desenvolver Alzheimer , juntamente com um exame de imagens ( tomografoia por emissão de  pósitrons( TEP)   e também exames de sangue. Essa é a primeira vez em que uma pesquisa define biomarcadores Marcadores biológicos tanto no liquido raquidiano como imagens e sangue . A presença de determinadas gorduras (substâncias que indicam a presença de uma doença) no sangue de uma pessoa para o Alzheimer. “ Esse  novo exame de sangue pode mudar como pacientes, suas famílias e os médicos planejam lidar com a doença”, diz o coordenador da pesquisa, Howard Federoff, professor de neurologia e vice-presidente executivo de ciências médicas do Centro Médico da Universidade Georgetown. “Biomarcadores que identificam o período assintomático da doença são essenciais para o desenvolvimento e aplicação de tratamentos capazes de prevenir o Alzheimer.” Vale lembrar que somente um marcador não é patognomônico da Doença é precios somar dados clinicos e história familiar bem como intoxicações por metais pesados ou condições e hábiros dos indivíduo.

Segundo Federoff, ele e sua equipe planejam realizar um estudo clínico que usa o exame de sangue para testar um agente terapêutico para atrasar o impedir que o Alzheimer se manifeste em pessoas com maior risco. atualização em 01/07/2016


 

 
©2009 All Rights Reserved Dr Valdai.
 
Web designer